Impactos emocionais da obesidade infantil

Impactos emocionais da obesidade infantil

Existem três comportamentos comuns na nossa cultura envolvendo a alimentação, mas que devemos tentar evitar: utilizar a comida como prêmio, a sobremesa como recompensa e associar a comemoração de eventos importantes somente com comida.

Mas qual é o real impacto desses comportamentos no desenvolvimento da obesidade infantil? As crianças, nesta fase, ainda apresentam um aparelho psíquico imaturo, dessa forma, a utilização da comida como prêmio ou recompensa faz com que elas aprendam que o alimento é a solução para os conflitos, desta maneira, passam a ter dificuldades para diferenciar estados de tensão emocional, confundindo-os com a necessidade de ingerir algo.

Quando as crianças começam a se deparar com situações conflituosas, sua tolerância a frustração fica extremamente baixa e o repertório comportamental para resolução de conflitos muito precários, assim, recorrerão a comida para que se sintam mais calmas e confortadas. A postura dos pais nesse momento também é muito importante. Pais ansiosos tendem a oferecer o alimento de forma indiscriminada às crianças, pois tem dificuldade de verem os filhos frustrados ou tristes. A frustração é um processo que gera muito aprendizado. A criança que tolera a frustração aprende a valorizar o que tem, a compreender o que é querer e não poder ter e o que é se esforçar, mas, às vezes, não conseguir o que deseja.

A obesidade infantil traz consequências físicas, sociais e psicológicas. Muitas vezes, crianças obesas sofrem discriminação e estigmatização social, prejudicando seu desenvolvimento físico e também o funcionamento psíquico, podendo causar um impacto negativo em sua qualidade de vida.

Os responsáveis devem estar sempre atentos a sinais dados por crianças, como, por exemplo, os hábitos alimentares e a questão do peso. É preciso também ter sensibilidade para tentar entender por que o filho passa a comer mais. Que situações podem estar estressando a criança? Ela mudou de escola? Começou um novo tipo de atividade? Recebeu uma repreensão? É preciso sempre estar atento e próximo aos pequenos.

Quando uma situação de tensão envolvendo a família ou a criança ocorrer, é preciso tentar conversar com as crianças sobre o assunto. De uma forma tranquila, procure tirar o foco da comida e entender o sentimento delas no momento. Aproxime-se e ouça seu filho (a). Outra dica importante é entrar em contato com a escola para conversar. Professores podem ter notado alguma alteração no comportamento.

Psicóloga Bárbara Catarina da Cunha Prado

Psicóloga Bárbara Catarina da Cunha Prado

Formada em Psicologia, especialista em Psicologia Clinica, Hospitalar e em Inteligência Emocional. O foco de atuação é o atendimento a crianças, adolescentes e famílias.

Brasil